TRT-2: acidente de trabalho de autônomo não é competência da JT

02/09/2010

JT é incompetente para julgar danos oriundos de acidente de trabalho de autônomo

A 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região decidiu – em acórdão publicado no dia 13 de julho – declarar, por unanimidade de votos, a incompetência da Justiça do Trabalho para apreciar pedido de trabalhador autônomo relativo a dano moral e material decorrente de acidente de trabalho, devendo os autos serem remetidos à Justiça Comum.

 

Não se conformando com a decisão de primeiro grau, uma empresa – cujo objetivo social é a industrialização de tecidos emborrachados em geral, de artefatos de borracha, celeron, peças em nylon e serviços de emborrachamento – recorreu perante o TRT da 2ª Região, sustentando que, mesmo após a Emenda Constitucional n° 45/2004, continua sendo da Justiça Estadual a competência para processar e julgar ação de indenização por danos morais decorrentes de acidente de trabalho de trabalhador autônomo.

 

Analisando os autos, nos quais o próprio recorrido (também reclamante) narrou que foi contratado para prestação de serviço de manutenção do telhado no estabelecimento comercial da recorrente, o desembargador relator Luiz Carlos G. Godoi observou que se tratava de trabalhador autônomo, sem vínculo de emprego com a demandada, não sendo, portanto, competência da Justiça do Trabalho, uma vez que a questão não se insere nos incisos VI e IX, do artigo 114 da Constituição Federal, que dizem respeito à relação de emprego.

 

Com efeito, o inciso VI do dispositivo constitucional citado se refere expressamente a indenização por dano moral ou patrimonial decorrente de acidente de trabalho e o inciso IX estabelece a competência desta Justiça Especializada para processar e julgar outras controvérsias decorrentes da relação de trabalho, na forma da lei. E não há lei determinando que é da Justiça do Trabalho a competência para examinar pedido de indenização oriunda de acidente de trabalho daquele que não é empregado, completou o relator.

 

Note-se que entre as partes foi firmado um contrato para prestação de serviços específicos conserto parcial de telhado que não se insere na atividade da recorrida, com a pactuação de um valor certo para toda a obra, sendo a relação tipicamente de natureza civil, ressaltou o magistrado.

 

Dessa forma, no tocante à competência da Justiça do Trabalho em relação a acidente de trabalho de autônomo, os magistrados da 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região deram provimento ao recurso, declarando a incompetência da Justiça do Trabalho para apreciar o pedido de trabalhador autônomo relativo a dano moral e material decorrente de acidente de trabalho, devendo os autos ser remetidos à Justiça Comum.

 

O acórdão 20100636920 foi publicado no dia 13 de julho de 2010 (Proc. 02913200742102008). 

 

Outras decisões podem ser encontradas clicando-se na aba Bases Jurídicas / Jurisprudência.

 

Secretaria de Assessoramento em Comunicação Social

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região



Mais Notícias em TRT - 2ª Região - SP



  • Uni-Anhanguera

    Sousa (soldado da PM) e Joselito Pereira da Silva (cabo da PM). Discursos Dirigindo-se aos homenageados, o deputado Bruno Peixoto entregou as honrarias concedidas pela sessão, a começar pelo professor Carlos André, a quem dirigiu-se inicialmente. "O senhor aceitou o

  • Joe Valle destaca Dia do Cerrado e pede sanção de lei

    da mais rica flora dentre as savanas do mundo. O deputado lamentou que metade da vegetação do cerrado já tenha sido eliminada, ressaltando que o DF possui grande vegetação nativa, típica desse bioma. Terceirizados – A concessão de auxílio-alimentação

  • TJDFT recebe devolução do terreno do CAJE

    e, em seguida, será providenciado o levantamento planialtimétrico e a sondagem do terreno, a fim de dar prosseguimento às etapas do projeto e às respectivas contratações, para execução das obras. O desembargador Presidente destaca a inovação e o pioneirismo da

  • Unidade de Registro Civil vai garantir cidadania ao povo de Bom Jardim

    de registro civil, ela afirmou que a entrega imediata do documento facilitará a vida de pessoas como Edineide Santos, mãe do recém-nascido João Pedro, que mora em um povoado distante da sede do município, que totaliza cerca de 40 mil

Comentários estão encerrados.

Previous post:

Next post: