TRT-2: acidente de trabalho de autônomo não é competência da JT

02/09/2010

JT é incompetente para julgar danos oriundos de acidente de trabalho de autônomo

A 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região decidiu – em acórdão publicado no dia 13 de julho – declarar, por unanimidade de votos, a incompetência da Justiça do Trabalho para apreciar pedido de trabalhador autônomo relativo a dano moral e material decorrente de acidente de trabalho, devendo os autos serem remetidos à Justiça Comum.

 

Não se conformando com a decisão de primeiro grau, uma empresa – cujo objetivo social é a industrialização de tecidos emborrachados em geral, de artefatos de borracha, celeron, peças em nylon e serviços de emborrachamento – recorreu perante o TRT da 2ª Região, sustentando que, mesmo após a Emenda Constitucional n° 45/2004, continua sendo da Justiça Estadual a competência para processar e julgar ação de indenização por danos morais decorrentes de acidente de trabalho de trabalhador autônomo.

 

Analisando os autos, nos quais o próprio recorrido (também reclamante) narrou que foi contratado para prestação de serviço de manutenção do telhado no estabelecimento comercial da recorrente, o desembargador relator Luiz Carlos G. Godoi observou que se tratava de trabalhador autônomo, sem vínculo de emprego com a demandada, não sendo, portanto, competência da Justiça do Trabalho, uma vez que a questão não se insere nos incisos VI e IX, do artigo 114 da Constituição Federal, que dizem respeito à relação de emprego.

 

Com efeito, o inciso VI do dispositivo constitucional citado se refere expressamente a indenização por dano moral ou patrimonial decorrente de acidente de trabalho e o inciso IX estabelece a competência desta Justiça Especializada para processar e julgar outras controvérsias decorrentes da relação de trabalho, na forma da lei. E não há lei determinando que é da Justiça do Trabalho a competência para examinar pedido de indenização oriunda de acidente de trabalho daquele que não é empregado, completou o relator.

 

Note-se que entre as partes foi firmado um contrato para prestação de serviços específicos conserto parcial de telhado que não se insere na atividade da recorrida, com a pactuação de um valor certo para toda a obra, sendo a relação tipicamente de natureza civil, ressaltou o magistrado.

 

Dessa forma, no tocante à competência da Justiça do Trabalho em relação a acidente de trabalho de autônomo, os magistrados da 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região deram provimento ao recurso, declarando a incompetência da Justiça do Trabalho para apreciar o pedido de trabalhador autônomo relativo a dano moral e material decorrente de acidente de trabalho, devendo os autos ser remetidos à Justiça Comum.

 

O acórdão 20100636920 foi publicado no dia 13 de julho de 2010 (Proc. 02913200742102008). 

 

Outras decisões podem ser encontradas clicando-se na aba Bases Jurídicas / Jurisprudência.

 

Secretaria de Assessoramento em Comunicação Social

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região



Mais Notícias em TRT - 2ª Região - SP



  • Ações de assistência a vítimas da seca continuam em 14 municípios

    Estadual de Proteção e Defesa Civil (Depec), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência e do Desenvolvimento Social (Seides), Tenente-coronel Erivaldo Mendes, explicou que o reconhecimento da situação de emergência nesses municípios permitirá a continuidade das ações de

  • Justiça não impedirá realização da Expogrande 2014

    os shows da Expogrande 2011 tiveram hora para terminar (entre meia-noite e 00h30). Para o caso de descumprimento do acordo, o MP e Acrissul concordaram com a interdição do local e a incidência de multa de R$ 100.000,00 por show

  • TRE-RJ suspende a obra do prédio da nova sede

    autorização da Prefeitura e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A obra, que já consumiu R$ 12,2 milhões, está suspensa até a conclusão da apuração das irregularidades e poderá ser alvo de uma ação de improbidade

  • Presidente do TRE-RJ proíbe venda de prédio do tribunal no Porto Maravilha

    meses das Eleições de 2014, o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio de Janeiro ressaltou a "insensatez" de uma negociação, com possibilidade de prejuízo ao Erário. Em dezembro de 2013, o TRE-RJ aprovou por unanimidade a suspensão

  • Plenário anula contrato de construção da nova sede

    documento aprovado, para apuração de possíveis irregularidades, e também providências técnicas e jurídicas para a devolução do terreno à Prefeitura, que assumiria a a preservação do hospital São Francisco de Assis, tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional e ameaçado pela obra,

Comentários estão encerrados.

Previous post:

Next post: