Texto mantém índices de reserva legal, mas permite usar APPs no cálculo

25/05/2011

De acordo com o texto do novo Código Florestal (PL 1876/99) aprovado nesta terça-feira pela Câmara, os proprietários que explorem em regime familiar terras de até quatro módulos fiscais poderão manter, para efeito da reserva legal, a área de vegetação nativa existente em 22 de julho de 2008.

Na regra geral, os índices de preservação continuam os mesmos exigidos no código em vigor:

- Amazônia:
80% das terras situadas em áreas de floresta;
35% em áreas de cerrado;
20% em campos gerais

- demais regiões do País:
20% das terras

Quando indicado pelo Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) do estado, o Executivo federal poderá reduzir, para fins de regularização da área rural consolidada, a reserva exigida na Amazônia. O índice pode passar de 80% para 50%, excluídas as áreas prioritárias para conservação da biodiversidade, dos recursos hídricos e os corredores ecológicos.

O Ministério do Meio Ambiente e o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) não precisam mais ser ouvidos, como prevê a lei em vigor.

Para o cumprimento de metas nacionais de proteção à biodiversidade ou para diminuir a emissão de gases do efeito estufa, o Executivo, com base no ZEE, poderá aumentar a reserva em até 50% dos índices previstos.

Recomposição
Para definir a área destinada à reserva legal, o proprietário poderá considerar integralmente a área de preservação permanente (APP) no cálculo se isso não provocar novo desmatamento, se a APP estiver conservada ou em recuperação e se o imóvel estiver registrado no Cadastro Ambiental Rural (CAR).

Atualmente, o código prevê essa inclusão quando a soma de APPs e reserva legal exceder 80% do imóvel na Amazônia e 50% no restante do País. Na pequena propriedade, o referencial aplicado hoje é 25%.

Continua:Câmara aprova novo Código Florestal com mudança em regras para APPsReserva poderá ser regularizada de diversas formas, incluindo compra de cotasPlano de manejo será exigido para exploração de florestas nativasDivergências na base e críticas ao líder do governo marcam votação de emendaReportagem – Eduardo Piovesan
Edição – Marcos Rossi



Mais Notícias em Agência Câmara



  • Painel debate problemas e soluções para o ensino jurídico no Brasil

    OAB, Eid Badr, que explicou as medidas que estão sendo tomadas pela OAB para melhorar essa situação. Eid Badr elogiou a postura do presidente do Conselho Federal da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, que no início do ano passado se

  • XXII Conferência Nacional analisa questões da Previdência

    da desaposentação (quando o trabalhador que já contribuiu para o sistema previdenciário volta a trabalhar e desiste ou requer os benefícios da aposentadoria) foi abordada pelo desembargador do TRF-4 (Rio Grande do Sul) Rogério Favreto.Ele relatou que duas decisões são

  • XXII Conferência: OAB defende criação do Código Comercial

    novo Código Comercial foi debatida e defendida pelos componentes da mesa.As discussões foram iniciadas por Gilberto Fraga, advogado e vice-presidente da Comissão de Assuntos Tributários, que tratou do tema “Parâmetros de revisão contratual”, e abordou os princípios usados para precedentes.

  • OAB Nacional promove debate propositivo entre Mercadante e Anastasia

    e Aécio Neves (PSDB), a cinco dias do segundo turno presidencial. Mediado pelo presidente da Ordem, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, o encontro entre o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e o senador eleito Antônio Anastasia, foi um dos momentos

Comentários estão encerrados.

Previous post:

Next post: