Texto mantém índices de reserva legal, mas permite usar APPs no cálculo

25/05/2011

De acordo com o texto do novo Código Florestal (PL 1876/99) aprovado nesta terça-feira pela Câmara, os proprietários que explorem em regime familiar terras de até quatro módulos fiscais poderão manter, para efeito da reserva legal, a área de vegetação nativa existente em 22 de julho de 2008.

Na regra geral, os índices de preservação continuam os mesmos exigidos no código em vigor:

- Amazônia:
80% das terras situadas em áreas de floresta;
35% em áreas de cerrado;
20% em campos gerais

- demais regiões do País:
20% das terras

Quando indicado pelo Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) do estado, o Executivo federal poderá reduzir, para fins de regularização da área rural consolidada, a reserva exigida na Amazônia. O índice pode passar de 80% para 50%, excluídas as áreas prioritárias para conservação da biodiversidade, dos recursos hídricos e os corredores ecológicos.

O Ministério do Meio Ambiente e o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) não precisam mais ser ouvidos, como prevê a lei em vigor.

Para o cumprimento de metas nacionais de proteção à biodiversidade ou para diminuir a emissão de gases do efeito estufa, o Executivo, com base no ZEE, poderá aumentar a reserva em até 50% dos índices previstos.

Recomposição
Para definir a área destinada à reserva legal, o proprietário poderá considerar integralmente a área de preservação permanente (APP) no cálculo se isso não provocar novo desmatamento, se a APP estiver conservada ou em recuperação e se o imóvel estiver registrado no Cadastro Ambiental Rural (CAR).

Atualmente, o código prevê essa inclusão quando a soma de APPs e reserva legal exceder 80% do imóvel na Amazônia e 50% no restante do País. Na pequena propriedade, o referencial aplicado hoje é 25%.

Continua:Câmara aprova novo Código Florestal com mudança em regras para APPsReserva poderá ser regularizada de diversas formas, incluindo compra de cotasPlano de manejo será exigido para exploração de florestas nativasDivergências na base e críticas ao líder do governo marcam votação de emendaReportagem – Eduardo Piovesan
Edição – Marcos Rossi



Mais Notícias em Agência Câmara



  • Corte julga direito de resposta em rádio e TV

    Rollemberg entraram com representação contra a Coligação União e Força, bem como o adversário Jofran Frejat. Trata-se de propaganda eleitoral irregular, em rádio, na modalidade bloco, veiculada em 18 de outubro, a qual afirma que Rollemberg teria ingressado no Senado,

  • TRE-RJ promove reunião com juízes de Búzios e Niterói e técnicos do TSE

    vão aperfeiçoar os métodos para solução de falhas que podem ocorrer na identificação dos votantes.O presidente do TRE-RJ, desembargador Bernardo Garcez, designará servidores do TRE-RJ para trabalhar, no segundo turno, nas zonas eleitorais daquelas duas cidades. Eles auxiliarão os eleitores

  • Mudança de locais de votação em Bangu para o segundo turno

    Shopping Bangu, Rua Fonseca, 240, BanguLocal antigo: Escola Municipal Edison Carneiro.Novo local: COLÉGIO JOÃO PAULO I, Avenida Ministro Ari Franco, 608, BanguLocal antigo: Escola Municipal Sampaio CorrêaNovo local: IGREJA DE SÃO LOURENÇO, Avenida Ministro Ari Franco, 850, Bangu.Local antigo: Escola

  • TRE-RJ revoga mudança dos locais de votação na Vila Aliança

    os mesmos locais de votação para o segundo turno das Eleições Gerais no próximo domingo.O desembargador Garcez destacou que a prioridade é sempre do eleitor. Daí porque o artigo 135 do Código Eleitoral atribui aos juízes a escolha dos locais

  • Lei Seca passa a vigorar a partir das 23h de sábado

    utilizado em benefício da ordem pública. “A proposta da Justiça Eleitoral é garantir a tranquilidade do pleito e prevenir a prática de delitos que prejudiquem a realização dos trabalhos eleitorais”, salientou.Campello informou ainda que as autoridades policiais e seus agentes

Comentários estão encerrados.

Previous post:

Next post: