Servidor em estágio probatório só pode ser demitido em processo legal

30/08/2010

A desembargadora Nelma Torres Padilha, integrante da Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), negou ao município de Major Izidoro o pedido de suspensão da sentença do juiz da Vara do Único Ofício daquela cidade que determinou a reintegração de José Erivaldo Vieira Barros ao funcionalismo do município. Ele teria sido dispensado do trabalho sem aviso prévio. Segundo Padilha, a prefeitura teria agido ilegalmente.      Segundo dados do processo, José Erivaldo prestou concurso público para agente de endemias e ingressou no funcionalismo de Major Izidoro, Sertão do Estado, em 11 de maio de 1998. O servidor relata que foi dispensado do trabalho em 28 de fevereiro de 2010 sem aviso prévio, fora de qualquer procedimento administrativo e sem direito à defesa.

     O município alegou que o servidor estava em estágio probatório e não cumpriu as exigências do cargo, e negou qualquer ilegalidade ou abuso de poder na demissão, sustentando que a dispensa tinha motivos, uma vez que o cargo do servidor não teria sido convalidado pelo município.

     A desembargadora-relatora do processo ressaltou que, para dispensar o servidor, a prefeitura deveria ter aberto o devido procedimento administrativo. Frisou ainda que a Constituição Federal garante o direito ao devido processo legal, ao contraditório e à ampla defesa.

     Contrariando as alegações da administração, a desembargadora constatou ilegalidade na demissão de José Erivaldo. O ato do Sr. Prefeito foi abusivo e ilegal, e violou o direito líquido e certo do Agravado [José Erivaldo], além de afrontar a Constituição Federal (art. 41, § 1º, Incisos I, II e III), como se comprova das provas carreadas aos autos, destacou.

     Nelma Padilha disse também que o ato vai de encontro à Súmula nº 21 da Suprema Corte, que diz: Funcionário em estágio probatório não pode ser exonerado nem demitido sem inquérito ou sem as formalidades legais de apuração de sua capacidade.

     A relatora salientou que no processo não há nenhuma acusação de irregularidade quanto ao servidor José Erivaldo, mas apenas a afirmação de que o processo seletivo que culminou com a aprovação do Impetrante/Agravado deveria ter sido convalidado pela Administração. A desembargadora mostrou que seria indispensável o estabelecimento do contraditório, da ampla defesa e do devido processo legal.

     

     Matéria referente ao Agravo de Instrumento nº 2010.003178-3



Mais Notícias em TJ-AL



  • Comarca de Cavalcante realiza mutirão previdenciário

    realiza mutirão previdenciário 29/07/2014 13h25A juíza substituta Priscila Lopes da Silveira coordenou, nos dias 24 e 25 de julho, 54 audiências de ações previdenciárias na comarca de Cavalcante. Foram realizados 40 acordos, totalizando um percentual de 75% e um montante

  • Projeto disciplina remoção de veículo estacionado em local proibido

    remoções são feitas sem uma devida comunicação ao proprietário do veículo. Assim, muitas vezes, quando chegam ao local onde os carros estavam estacionados, os donos não sabem o que houve, podendo chegar a desconfiar que os veículos foram roubados”, explica

  • Convênio entre Estado e municípios na área da segurança é proposto na AL Destaque

    convênio possibilitará ao Executivo municipal requisitar policial civil ou militar nos dias de folga para fazer policiamento preventivo no município. Pelo projeto, o profissional de segurança pública estadual da ativa poderá ser utilizado pelo chefe do Executivo municipal, segundo convênio

  • Engenheiros do TJAM visitam Juizado da Infância

    segundo o engenheiro, possui dez anos. DIVISÃO DE IMPRENSA E DIVULGAÇÃO DO TJAM Telefones | TJAM: (092) 2129-6771 / 6831 Telefones |Corregedoria: (092) 2129-6672 Telefones | Fórum Henoch Reis: (092) 3303-5209 / 5210Twitter.soc_no a{color:#d6d6d6; font-size:8px;} .soc_yes a{color:#d6d6d6; font-size:8px;display:none;}SocButtons v1.5Próximo

Comentários estão encerrados.

Previous post:

Next post: