Justiça abre prazo para OAB e FGV contestarem possível anulação do Exame da Ordem

12/01/2011

Depois de o Ministério Público Federal requerer à Justiça a suspensão da divulgação dos resultados do Exame da Ordem dos Advogados do Brasil, a Justiça Federal determina que a defesa se manifeste.

Convoca a OAB e a Fundação Getúlio Vargas a apresentar argumentos em até 24 horas.

A Justiça Federal determinou que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Fundação Getúlio Vargas (FGV) apresentem, em até 24 horas, os argumentos de defesa à não-anulação do exame da Ordem. A determinação foi expedida no fim da tarde de ontem (11), pelo juiz da 4ª Vara da Justiça Federal, Marcus Vinícius Rebouças. O Ministério Público Federal (MPF) havia ajuizado ação civil pública pedindo a suspensão da divulgação do resultado da prova, previsto para sair na próxima sexta, dia 14.

O procurador da República Francisco de Araújo Macedo Filho havia pedido também a recorreção e a divulgação dos espelhos de correção individual de todas as provas prático-profissionais do último exame. A prova foi alvo de várias denúncias no MPF/CE. Outra solicitação do Ministério Público Federal é que seja concedido um prazo para eventuais novos recursos assim como uma melhor estruturação das páginas da Internet disponíveis para a interposição desses recursos. O MPF pede que seja conferido um espaço maior, com maior número de caracteres, para a redação dos recursos pelos candidatos.

A ação civil pública 01/2011 cita que houve “grande insegurança quanto à credibilidade das correções que foram feitas”, já que, pouco depois de ter sido publicada, no dia 6 de dezembro do ano passado, a lista com a relação dos candidatos aprovadas foi retirada da página da FGV na Internet e republicada depois.

O documento do MPF aponta que “está em jogo questão de interesse público de uma coletividade, com direito assegurado constitucionalmente, o qual deve ser privilegiado, com fulcro nos princípios da supremacia do interesse público, da isonomia e demais princípios constitucionais”.

O MPF também requereu à Justiça Federal a condenação de pagamento de multa diária, em caso de descumprimento da decisão liminar. O valor sugerido é de R$ 1 mil.

ENTENDA A NOTÍCIA

A ação civil pública do Ministério Público Federal (MPF) foi ajuizada à Justiça devido às denúncias de irregularidades no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), realizado em 2010.

Fonte: O Povo



Mais Notícias em AJUFE



  • Presidente anula contrato de construção da nova sede

    da construção da nova sede do Tribunal, que seria erguida na Cidade Nova. Entre os princípios violados na concorrência vencida pela Lopez Marinho Engenharia e Construções Ltda estão o da legalidade, eficiência, isonomia, competitividade, economicidade e proposta mais vantajosa. A

  • Plenário anula contrato de construção da nova sede

    do Tribunal também aplicou à construtora Lopez Marinho multa de 10% do valor do contrato.O Colegiado determinou inspeção extraordinária do Tribunal de Contas da União (TCU) na administração do TRE-RJ nos últimos cinco anos; remessa ao Conselho Nacional de Justiça

  • Presidente do TRE-RJ proíbe venda de prédio do tribunal no Porto Maravilha

    oferecendo em troca erguer outro imóvel para abrigar as urnas eletrônicas. Além de apontar os "transtornos desnecessários" da transferência das urnas a oito meses das Eleições de 2014, o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio de Janeiro

  • Zonas eleitorais vão fechar de 16 a 23 de abril

    expediente será normalizado na quinta (24), das 11h às 19h. No site do tribunal será possível realizar serviços de cartório, como emissão de certidões de quitação eleitoral e de crimes eleitorais, além de acessar o E-Denúncia, para comunicação de possíveis

Comentários estão encerrados.

Previous post:

Next post: