Imóvel edificado à margem de rodovia federal deve ser demolido

26/01/2011

Casal que construiu imóvel residencial no limite da faixa de domínio da rodovia BR 262 (anel rodoviário de Belo Horizonte) foi condenado pela Justiça Federal, em primeira instância, a demolir a obra.

Inconformados, recorreram ao TRF/ 1.ª Região pedindo indenização por benfeitorias realizadas no local. “De boa-fé, após aquisição do terreno, objeto da ação, edificaram, com muita dificuldade, morada para sua família”, trecho do relatório em que consta a alegação dos apelantes.

O casal também argumenta, em recurso, que a União, na instrução do processo, não conseguiu provar a propriedade do imóvel, “sendo imprestáveis os documentos (…) para tal mister”.

O relatório do desembargador federal João Batista Moreira explica que a Lei 6.766, de 1979, disciplina as construções às margens das rodovias federais, impondo limitação administrativa aos proprietários de loteamentos marginais às rodovias de “reserva de uma faixa não edificável de 15 metros de cada lado”.

O magistrado diz, ainda, que “ao extinto Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER) competia manter as faixas de domínio das rodovias federais desimpedidas (…) razão por que é legítimo seu interesse na preservação da faixa non aedificandi”. Documentos provam ter a perícia constatado que a construção efetivamente atingiu a faixa de domínio da rodovia federal. Dessa forma, o relator afastou o argumento de que a União não conseguiu provar a propriedade do imóvel. Ressalta ainda o desembargador que os réus foram notificados do embargo de obra em faixa do domínio do DNER.

No entendimento de João Batista Moreira, confirmada propriedade da União, a pretensão do casal de indenização “deve ser deduzida por meio processual adequado”. Nos termos do voto do relator, decidiu a Quinta Turma do Tribunal, por unanimidade, negar provimento à apelação.

APELAÇÃO CÍVEL 200038000437698/MG

Fonte: TRF-1



Mais Notícias em AJUFE



  • TRE-RJ suspende a obra do prédio da nova sede

    na gestão do desembargador Luiz Zveiter, em 2012, não tem projeto executivo, autorização da Prefeitura e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A obra, que já consumiu R$ 12,2 milhões, está suspensa até a conclusão da

  • Presidente do TRE-RJ proíbe venda de prédio do tribunal no Porto Maravilha

    meses das Eleições de 2014, o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio de Janeiro ressaltou a "insensatez" de uma negociação, com possibilidade de prejuízo ao Erário. Em dezembro de 2013, o TRE-RJ aprovou por unanimidade a suspensão

  • Plenário anula contrato de construção da nova sede

    multa de 10% do valor do contrato.O Colegiado determinou inspeção extraordinária do Tribunal de Contas da União (TCU) na administração do TRE-RJ nos últimos cinco anos; remessa ao Conselho Nacional de Justiça e à Procuradoria Regional da República de cópias

  • À Sombra de um Delírio Verde

    ecologicamente correto. Sem terra e sem florestas, os Guarani Kaiowá têm que conviver com uma epidemia de desnutrição que atinge suas crianças. Adultos e adolescentes são explorados nos canaviais como escravos em exaustivas jornadas de trabalho. Em meio ao delírio

  • Índios: 500 anos de Resistência

    de médicos e voluntários para salvar vidas. Por que os índios não conseguem mais viver da caça e da pesca? Por que as aldeias vivem em situação de miséria? E o que está sendo feito para que essas etnias não

Comentários estão encerrados.

Previous post:

Next post: