Empregado receberá indenização de 40 mil por perda de dedo

27/12/2010

Um empregado de uma indústria que perdeu o dedo polegar e teve sequelas no anelar, pelo incorreto manuseio de equipamento denominado ‘prensa viradeira’ receberá indenização por danos morais e materiais. A decisão foi da Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho que restabeleceu a sentença e manteve a condenação por danos materiais no valor de 40 mil reais.

Contratado para a função de serviços gerais em fevereiro/2003, após três meses de trabalho a empresa atribuiu ao empregado outras atividades, em especial a de ajudante de produção. Em agosto foi colocado para trabalhar com o equipamento denominado ‘prensa viradeira’ – mecanismo que pela alta periculosidade exige treinamento, orientação e acompanhamento na fase de adaptação, mas a nenhum treinamento fora submetido.

Com cinco minutos de operação do equipamento, o empregado acidentou-se, o que lhe resultou grave lesão com o esmagamento dos dedos anelar e mínimo esquerdo, sendo inevitável a amputação, o que o levou a entrar em gozo de licença médica, com percepção do benefício de auxílio-acidente e a consequente suspensão do contrato de trabalho.

Na ação de indenização por acidente de trabalho, o empregado alegou a negligência da Santa Tereza pela ausência de equipamentos de segurança. Requereu R$ 50 mil por danos estéticos, R$ 50 mil por danos morais e R$ 129 mil por danos materiais (valor que levou em conta a longevidade média do trabalhador brasileiro, subtraída de sua idade atual e pensão vitalícia para compensar a redução de sua capacidade laborativa).

Resguardada na perícia do equipamento, a 19ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte concluiu pela culpa da Santa Tereza para condená-la a pagar indenização ao empregado por danos materiais no valor de 40 mil reais e danos morais e estéticos de 20 mil reais.

A indústria recorreu ao TRT mineiro (3ª Região). Disse ser do empregado a culpa pelo acidente, que por descuido e imprudência colocou a mão na linha de operação da máquina, a qual era de fácil manuseio e somente entra em funcionamento com a ordem do operador ao acionar o pedal. Argumentou, ainda, cumprir com as normas de segurança no trabalho, cursos de capacitação, com treinamento teórico e prático e fornecer os EPIs (Equipamentos de Proteção Individual).

O Regional também concluiu pela culpa da empresa com base no laudo pericial – o acidente foi ocasionado por prensa viradeira, que não dispunha de dispositivos de proteção apropriados para impedir que as mãos ou qualquer outra parte do corpo do trabalhador atingisse a área de punção da matriz – e pelo testemunho de um colega que estava ao lado do empregado e presenciou o acidente. O TRT, porém, excluiu da condenação a indenização por danos materiais, por considerar parcial a redução da capacidade de trabalho do empregado, que continuou prestando serviços na empresa.

Para o relator na Turma, ministro Augusto César Leite de Carvalho, a partir da conclusão do Regional – da caracterização de culpa da empresa, que não tomou as precauções devidas para evitar a ocorrência de danos irreversíveis a seus empregados – o pedido do trabalhador está respaldado pelo artigo 950 do novoCódigo Civil. “Considerada a perda parcial da capacidade laborativa e a responsabilidade da empregadora (…) devida é a indenização por danos materiais postulada, deferida na origem”. (RR-37300-23.2006.5.03.0019)

Fonte: Tribunal Superior do Trabalho



Mais Notícias em AASP



  • Liberadas três candidaturas, mas Feijó continua impedido

    Feijó (PR) tentou reverter o indeferimento da candidatura à reeleição, mas o recurso foi rejeitado. A candidatura foi negada por improbidade administrativa, pela suposta ligação dele ao esquema de venda de ambulâncias conhecido por "escândalo dos sanguessugas". Feijó ainda pode

  • Comissão do Idoso promove campanha no Fórum Clóvis Beviláqua

    da OAB-CE, pede o cumprimento do artigo 71 do Estatuto do Idoso que estabelece prioridade para os processos de requerentes com mais de 60 anos. Participaram da blitz os integrantes Raphael Castelo Branco, Marcelo Girão, Noemir Branco, Luiza Rocha e

  • Roberto Barroso toma posse como ministro substituto no TSE

    de estabilidade institucional e parte dela se deve ao bom funcionamento da Justiça Eleitoral e “a esse sistema formidável de urnas eletrônicas”, com apuração de votos “extremamente eficiente”. “De modo que este é um momento feliz pra mim, participar desse

  • Autoridades comentam posse de novos corregedor-geral eleitoral e ministra titular

    Juiz Paulo Tamburini, secretário-geral da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam) “Eu tenho muita admiração e respeito pela figura do ministro João Otávio desde muito tempo e não tenho dúvida alguma de que o ministro vai ser

  • TRE-MS nomeia novo Ouvidor Eleitoral

    o novo Ouvidor Eleitoral do Tribunal, o Juiz de Direito Geraldo de Almeida Santiago, e como Ouvidora Substituta, Dra. Telma Valéria da Silva Curiel Marcon. O novo Ouvidor assume em virtude do vencimento do biênio do Juiz Elton Nasser, que

Comentários estão encerrados.

Previous post:

Next post: