EMPREGADO QUE USA CARRO PARTICULAR NO TRABALHO DEVE SER RESSARCIDO PELO ROUBO DO VEÍCULO

23/08/2011

A ETE Engenharia de Telecomunicações e Eletricidade deverá ressarcir um de seus funcionários que teve o carro roubado durante a jornada de trabalho. A decisão é do juiz Paulo Luiz Schmidt, da 2ª Vara do Trabalho de Gravataí, e foi confirmada pela 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Sul.

O empregado alegou que trabalhou para a empresa de 04/06/2001 a 31/03/2010. Neste período, locou para a ETE o veículo de sua propriedade que utilizava para prestar o serviço de instalador. Em 19/11/2009, teve roubado seu carro enquanto executava reparos em Gravataí/RS, prejuízo que o levou a ingressar com pedido de indenização por danos materiais.

Na sentença, o julgador afirmou que “o simples fato de o veículo ser de propriedade do empregado e existir contrato de locação do veículo, por si só não exime a responsabilidade da reclamada pelo risco do empreendimento”. Condenou a ETE a pagar R$ 21.514,00, valor estimado pela FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) para o modelo do carro roubado.

Recorreu a empresa, mas a 1ª Turma do TRT-RS manteve a decisão do 1º grau. O desembargador José Felipe Ledur, relator do recurso, apontou que, embora o contrato de locação tivesse natureza civil, decorria da relação de emprego, pois o automóvel era usado para trabalhar. Salientou que não havia previsão de seguro para o carro do empregado, o que ocorria com outros veículos alugados de uma empresa locadora. O magistrado avaliou que a ETE deve responder integralmente pelo ressarcimento do prejuízo, pois era a beneficiária da utilização do veículo ao longo da jornada de trabalho.

Cabe recurso.

Processo 0001697-57.2010.5.04.0232



Mais Notícias em ABDIR



  • Presidente do TRE-RJ proíbe venda de prédio do tribunal no Porto Maravilha

    2014, o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio de Janeiro ressaltou a "insensatez" de uma negociação, com possibilidade de prejuízo ao Erário. Em dezembro de 2013, o TRE-RJ aprovou por unanimidade a suspensão da obra do novo

  • Plenário anula contrato de construção da nova sede

    Procuradoria Regional da República de cópias do documento aprovado, para apuração de possíveis irregularidades, e também providências técnicas e jurídicas para a devolução do terreno à Prefeitura, que assumiria a a preservação do hospital São Francisco de Assis, tombado pelo

  • TRE-RJ suspende a obra do prédio da nova sede

    de uma ação de improbidade administrativa para ressarcimento do dinheiro público à União. O TRE-RJ determinou, ainda, que a construtora Lopes Marinho adote medidas para evitar danos ao vizinho Hospital São Francisco de Assis, tombado pelo Iphan. Representantes do TRE-RJ,

  • Presidente anula contrato de construção da nova sede

    peças dos processos administrativos referentes à construção da nova sede, para a apuração de eventuais práticas ilegais. Um pedido de inspeção extraordinária nas contas dos últimos cinco anos do Tribunal será solicitado ao Tribunal de Contas da União(TCU). A decisão

  • Panorama - 18 de abril de 2014

    Graça Foster contraria ex-presidente da Petrobras e diz que compra da usina de Pasadena nos Estados Unidos não foi um bom negócio. Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2015 chega ao Congresso e prevê salário mínimo

Comentários estão encerrados.

Previous post:

Next post: