Construtora deve indenizar por atraso em entrega de imóvel

30/04/2013

A autoridade entendeu que houve inércia da empresa por não cumprir o prazo de entrega da residência adquirida pelo autor da ação.

O juiz da 14ª Vara Cível de Belo Horizonte, Marco Aurélio Ferrara Marcolino, determinou que a MRV Engenharia e Participação indenizasse uma cliente no valor de R$12.500, por danos morais, pelo atraso na entrega do imóvel.

O cliente alegou que firmou contrato de compra e venda de um imóvel com a MRV em 05 de abril de 2009. Alegou que o apartamento seria entregue até abril de 2011 e não havia sido concluído até a impetração da ação. A cliente disse que sofreu danos morais e materiais, estes representados pelo pagamento de aluguéis e de juros de evolução de obra em seu financiamento.

 A MRV contestou a ação alegando que a data de entrega das chaves ocorreria em abril de 2011 ou 15 meses após a assinatura do contrato, junto ao agente financeiro. Assim, o prazo poderia ser prorrogado por 180 dias. Segundo a MRV, a assinatura do contrato junto ao agente financeiro somente se deu em 06 de janeiro de 2011 e assim, teria até 06 de outubro de 2012 para a entrega do imóvel.

 De acordo com o juiz, &quoto dano moral é patente, eis que a autora pretendia se mudar com seu noivo para o imóvel logo após o casamento, o que se não se concretizou pela inércia da ré. A partir daí, esta deve repará-la”.

 Conforme o juiz, são passíveis de indenização os aluguéis pleiteados devendo a MRV arcar com os valores até a efetiva entrega do referido imóvel. O magistrado destacou que a parte autora deve ser indenizada apenas a partir de novembro de 2011, pois o prazo final que tinha a ré, contratualmente, para a entrega do imóvel era até o mês de outubro de 2011.

 O juiz determinou que a empresa indenizasse a cliente por danos materiais, no valor dos aluguéis relativos ao imóvel locado, pagos desde 05 de novembro de 2001 até a entrega definitiva do imóvel, corrigidos monetariamente. Essa decisão, por ser de primeira instância, está sujeita a recurso.

Processo 0024.12.239.873-8.
Fonte: TJMG

Hellen Borges
Estagiária de Jornalismo



Mais Notícias em OAB-RS



  • Mais de 500 famílias receberam escrituras de suas casas em Trindade

    Casa Legal – Sua Escritura na Mão, focado na regularização fundiária. Cerca de 530 famílias já receberam as escrituras devidamente registradas em conjuntos habitacionais construídos em áreas que pertenciam ao Estado. Quatro bairros foram contemplados: Conjuntos Marise, Dona Íris 1

  • Saneago apresenta obras da regional de Santa Helena de Goiás

    Integração Nacional, BNDES, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. Os municípios de Acreúna (87%), Gouvelândia (84%), Maurilândia (99,8%), Quirinópolis (90%) e Santa Helena de Goiás (97,2%) estão a caminho da universalização do atendimento de água tratada. As redes de

  • Agehab está presente no Governo Junto de Você em Rio Verde

    governo estadual e parceiros, como o Sebrae. Nesta 28ª edição do programa, a Agência Goiana de Habitação (Agehab) está presente com o balcão de informações sobre seus programas: o Cheque Mais Moradia e o Casa Legal – Sua Escritura na

  • Início das atividades

    em tempo realOs assuntos do dia, com a síntese veiculada em tempo realDestaqueEspaço privilegiado na tela de abertura do portal, evidenciado assunto de relevânciaOutros destaquesEvidenciam assuntos importantes do dia-a-dia no ParlamentoProgramação CulturalAções do CCI (Centro de Cultura e Intercâmbio), elo

Comentários estão encerrados.

Construtora deve indenizar por atraso em entrega de imóvel

03/05/2011

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu a necessidade de compensação por danos morais a um casal que passou mais de dez anos esperando pelo apartamento que comprou ainda na planta e que jamais foi entregue.

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro havia condenado uma empresa de engenharia e construções ao pagamento de R$ 18 mil por danos morais, além de determinar a rescisão do contrato e a devolução de valores pagos pelo casal. A unidade habitacional que eles pretendiam adquirir fazia parte de um empreendimento, que deveria ter sido construído na Barra da Tijuca.

Uma construtora, hoje falida, era originalmente a responsável pelo empreendimento e cedeu os direitos para que a empresa de engenharia prosseguisse com as obras, o que não aconteceu. Em recurso especial ao STJ, a segunda empresa contestou a decisão do tribunal estadual, alegando que o simples descumprimento do contrato não justificaria indenização por danos morais.

O relator do recurso, ministro Luis Felipe Salomão, disse que, de fato, o descumprimento de contratos nem sempre representa motivo para indenização por dano moral. Mas, segundo ele, embora a jurisprudência do STJ considere que esse descumprimento às vezes possa ser entendido como “mero dissabor”, as peculiaridades de cada caso devem ser analisadas a fim de se verificar se houve efeitos psicológicos capazes de exigir a reparação moral.

“Os precedentes não se posicionam de modo intransigente sobre a matéria, admitindo que, a depender da peculiaridade do caso concreto, possa ser constatado abalo moral a exigir compensação pecuniária”, afirmou o relator.

Luis Felipe Salomão considerou cabível a compensação por dano moral em razão do descumprimento de contrato de promessa de venda em que houve atraso de mais de dez anos na entrega do imóvel, “circunstância que extrapola o mero aborrecimento”.

O ministro destacou precedente da Corte que considerou que “o direito de moradia, entre outros direitos sociais, visa à promoção de cada um dos componentes do Estado, com o insigne propósito instrumental de torná-los aptos a realizar os atributos de sua personalidade e afirmar a sua dignidade como pessoa humana”.

Luis Felipe Salomão citou, ainda, um precedente semelhante envolvendo o mesmo empreendimento. À época do julgamento, o relator do caso anterior, ministro Aldir Passarinho Junior, atualmente aposentado, reconheceu o cabimento da compensação por danos morais. Ele destacou que houve atraso de quase dez anos e entendeu que a culpa foi exclusivamente da empresa.

Diante das circunstâncias que envolveram o inadimplemento da construtora, os ministros da Quarta Turma reconheceram a necessidade da compensação por danos morais, sem alterar o valor fixado pela Justiça fluminense. A decisão foi unânime.

Processo: Recurso Especial -REsp 617077

Fonte: Superior Tribunal de Justiça



Mais Notícias em AASP



  • Mais de 500 famílias receberam escrituras de suas casas em Trindade

    ocasião, a Agehab celebrou convênio para entrega de 500 Cheques Mais Moradia Reforma a famílias do município. Cidadania A ações do governo estadual também chegam a Trindade com programas sociais da Secretaria de Cidadania e Trabalho (Sect) que atendem mais

  • Saneago apresenta obras da regional de Santa Helena de Goiás

    Santa Helena de Goiás. Investimentos Estação de Tratamento de Água de Acreúna.Foto: Saneago O Governo do Estado e a Saneago investiram, nos últimos dois anos, cerca de R$ 21,2 milhões em obras de saneamento básico na Regional de Santa Helena.

  • Agehab está presente no Governo Junto de Você em Rio Verde

    o Sebrae. Nesta 28ª edição do programa, a Agência Goiana de Habitação (Agehab) está presente com o balcão de informações sobre seus programas: o Cheque Mais Moradia e o Casa Legal – Sua Escritura na Mão. Criado para regularizar moradias

  • Início das atividades

    e educacional e outros segmentos sociaisO Poder Legislativo e VocêEspaço aberto para as opiniões e sugestões da comunidade sobre o Parlamento e iniciativas da CasaAgendaO que acontece no dia – comissões, plenário e atividades externas dos parlamentares e representantes da

  • CCJ se reúne a partir das 14 horas hoje

    24, às 14 horas, no Auditório Solon Amaral, para apreciar e votar os projetos de leis de autoria dos deputados da Casa e do Executivo Estadual. A distribuição de novos projetos de lei para relatores também consta da pauta. A

Comentários estão encerrados.

Previous post:

Next post: