AGU demonstra que é ilegal equiparação de auxílio alimentação de servidores Funasa com os do TCU

05/08/2011

Data da publicação:

A Advocacia-Geral da União (AGU) comprovou, na Justiça, que é ilegal a equiparação do auxílio alimentação de servidora da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), em Goiás, com o benefício pago funcionários do Tribunal de Contas da União (TCU).

A Procuradoria Federal no Estado de Goiás (PF/GO) e a Procuradoria Federal junto à Funasa explicaram que a Constituição Federal veda expressamente a equiparação de qualquer espécie de remuneração de efeito pessoal do serviço público. Também destacaram que o auxílio-alimentação tem o valor definido por ato normativo determinado por cada Poder.

Os procuradores federais sustentaram que o Poder Judiciário não pode interferir na esfera do Poder Executivo para obrigá-lo a conceder reajuste remuneratório ou alterar benefícios de servidores, sob pena de afronta ao princípio da Separação de Poderes.

Uma servidora da Funasa havia ajuizado ação solicitando que o valor do seu auxílio-alimentação fosse igual aos pagos a quem trabalha no TCU.

O juízo da 13ª Vara do Juizado Especial Federal da Seção Judiciária de Goiás acolheu os argumentos da AGU e impediu a equiparação dos valores. Na decisão, o magistrado sinalizou que, de acordo com a Súmula nº 339 do Supremo Tribunal Federal, “não cabe ao Poder Judiciário, que não tem função legislativa, aumentar vencimentos de servidores públicos sob o fundamento de isonomia”.

A PF/GO e a PF/Funasa são unidades da Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU.

Ref.: Ação Ordinária nº 9161-59.2011.4.01.3500 – 13ª Vara do Juizado Especial Federal.

Uyara Kamayurá



Mais Notícias em AGU



  • TRE-RJ revoga mudança dos locais de votação na Vila Aliança

    acompanhar o voto do presidente, destacou que a juíza da 24ª Zona Eleitoral está em exercício naquele órgão desde 3 de abril de 2013. "Isso deu-lhe mais de 18 meses para planejar os locais onde instalaria as seções eleitorais", enfatizou

  • Painel debate problemas e soluções para o ensino jurídico no Brasil

    a OAB poderia assumir dois cursos aos recém-formados: um de capacitação de estágios e outro de formação de mediadores. Os presentes no auditório concordaram com as propostas.Sobre a valorização do professor de direito, o Presidente da Comissão Especial de Apoio

  • XXII Conferência Nacional analisa questões da Previdência

    trabalhando”, defendeu.Para ele, na posição do julgador é necessário demonstrar uma apropriação do contexto social, já que nas regras há uma desigualdade social muito forte. “Procuramos equiparar essa desigualdade através do Direito.”Acidentes fatais de trabalhoO Brasil está em quarto lugar

  • XXII Conferência: OAB defende criação do Código Comercial

    revisão contratual”, e abordou os princípios usados para precedentes. Para melhor definição do assunto, Gilberto defende a aprovação do anteprojeto do Código Comercial: “o Código é necessário para afastar a intervenção do estado nos contratos empresariais”.A nova Lei de Improbidade

  • OAB Nacional promove debate propositivo entre Mercadante e Anastasia

    mais complicados do mundo. “Um conjunto de normas que é constantemente modificado leva a uma insegurança muito grande no ambiente de investimentos. A reforma tributária se tornou um reclame dos empresários, dos profissionais liberais, dos consumidores e dos contribuintes em

Comentários estão encerrados.

Previous post:

Next post: